Várias pessoas me perguntam como fazer para ser visagista, que cursos fazer, como atuar. Vou começar escrevendo para quem é da área da beleza (cabeleireir@, barbeir@ ou maquiador@). Separei essas 4 dicas úteis, mas não há necessidade de cumprir todas. O tema é: o que preciso estudar para ser um visagista?

1 – O Senac possui um curso técnico de visagismo. A unidade de São Paulo já está completando 10 anos de curso e os livros que embalam esse curso são os lançados pelo Philip Hallawell, pela editora Senac. Hoje já existe em outras unidades, você pode se informar se possui no Senac de sua cidade.
Vantagens: já está estável no mercado e, se você tem apenas o ensino médio, é uma ótima escolha.

2 – Se você mora em São Paulo, existe opções de cursos superiores, como o Curso de visagismo e terapia capilar, na Universidade Anhembi Morumbi e na Universidade Cruzeiro do Sul. Não as conheço bem, portanto nada a declarar.

3 – Se você já possui um curso técnico ou superior em alguma área, ou ainda, não tem tanto tempo para um curso longo e regular, sugiro fazer os cursos de formação de visagismo. Eu fiz a minha formação no Centro de Visagismo Philip Hallawell e foi um divisor de águas para mim. Foi muito esclarecedor. Esse curso é ministrado diretamente pelo Philip e minha opinião é a de que, se você pode “beber diretamente da fonte”, faça-o. Existe também o programa de cursos do Claude Juillard, que é um visagista francês e tem vindo ao Brasil 1 vez ao ano, pelo menos. Ainda desejo fazer esses cursos também.

Você deve se perguntar: qual dos dois é melhor?
Eu os vejo como complementares. Tenho estudado os livros do Claude Juillard e percebo que ele traz um método muito interessante e uma forma de tomar as decisões, técnicas de avaliações, todas muito humanas, com muito tato. No entanto, ele parece não aprofundar tanto no rosto, e nesse ponto, Philip Hallawell traz muitas informações, conceitos e método para fazer essa análise.

Vantagens: novamente, os cursos diretamente com os os criadores dos métodos é sempre mais caro financeiramente, mas a experiência e o valor do seu certificado vai ser diferente. Para formação, descarto qualquer curso com o João, a Maria. É legal fazer cursos de aperfeiçoamento com outros visagistas, como já fiz com a Nana Machado e com o Robertinho Marques. Eles pegam alguns aspectos como cores, moda, penteados, maquiagem e aprofundam mais do que no curso de formação. Nesse caso, vale muito a pena, mas esses não são cursos de formação em visagismo.

4 – Depois do curso de formação, entenda que voce terá que fazer muitos outros cursos, pois o visagismo envolve muitos aspectos que não são possíveis de aprofundar na formação. Então procure cursos com visagistas formados sobre as adaptações e aplicações da consultoria em áreas diferentes, curso de coloração pessoal, colorimetria, teoria e prática da cor, visagismo na maquiagem, no penteado, na barbearia, no corte de cabelo, na odontologia. Lá na formação de visagismo a turma de alunos é muito diversificada e talvez você acabe sentindo a necessidade de encontrar alguém que ajude a aprofundar na sua área. Mas lembre-se: fazer apenas esses cursos de aperfeiçoamento, sem a formação, não torna você um visagista.

Espero que essas dicas possam ajudar você a escolher um caminho adequado e que você possa se tornar um ótimo visagista!

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.