Todas as vezes nas quais eu ministro uma palestra, um curso ou atendo um cliente, o termo “cabelo ideal” vem à tona. Muitas das matérias veiculadas por jornais e revistas tendem a dar destaque para o assunto do visagismo falando que existe um corte de cabelo ideal para cada formato de rosto.

Meu objetivo hoje é desconstruir esse mito. O que é o “mito do cabelo ideal”? É a crença de que há apenas um corte de cabelo, aquele ideal, que faz uma pessoa mais bonita. É como se existisse uma régua, um padrão mágico para cortar o cabelo e só aquele corte poderia ser feito pelo resto da vida. Essa compreensão é vendida como visagismo, mas nem mesmo é verdade e não é visagismo.

Já expliquei um pouco sobre o que é visagismo (clique aqui para ler), então vou continuar explicando o erro do mito e falando um pouco mais de visagismo também. A verdade é “não existe um corte de cabelo ideal para você”. Isso mesmo. Não existe apenas um. Existem inúmeros cortes possíveis, desde os mais curtos até os super longos. E isso vale para homens e para mulheres.

Partindo disso, como então o visagismo define o corte, já que não é apenas encontrar o corte ideal? Veja a lista do que é levado em conta ao escolher um corte:

– As formas e proporções do rosto (se o rosto é fino, longo, testa larga, queixo proeminente e etc);
– As características do cabelo (liso, crespo, volumoso, pouco cabelo e etc);
– Proporção do corpo (alto, baixo, formato do corpo e distribuição de volume);
– Traços de personalidade (delicado, forte, abnegado, paciente, disciplinado e etc);
– Profissão (cargo, expectativas dentro da empresa ou de carreira e etc);
– Gosto e hábitos (se a pessoa tem paciência para cuidar dos cabelos, se ela gosta de franja, se tem vergonha da calvície e etc);
– E o MAIS importante: o que a pessoa está buscando na sua vida, naquele momento. Qual imagem vai inspirar ela a buscar os seus objetivos, que vai melhorar a autoestima. O que quer expressar com essa imagem (frase criada e usada pelo visagista Philip Hallawell).

De todos os aspectos analisados, o mais importante é o último. É ele que define o tom do corte, o comprimento, o acabamento. E toda essa análise e a própria indicação pode mudar ao longo dos anos, pois nossas ambições mudam, os desejos, as profissões, os amores, não é mesmo. E cada fase da vida exige que a gente se lembre de um aspecto da nossa personalidade, para dar apoio e manter a autoestima elevada.

– Agora que você já sabe que o céu não é o limite (rsrsrs), já pode começar a sonhar com aquele(s) cabelo(s) que gostaria de ter e procurar saber como é possível torná-lo real!

Deixe uma resposta